O cuidado com as pessoas quando o destino é incerto

Dentre tantas coisas em que a gente acredita, está compartilhar o aprendizado. Pra gente, despertar a consciência é fazer acontecer! E esse é o nosso jeito de ver, de viver e de ser – e de pensar o cuidado com as pessoas.

Em um momento em que estamos todos repensando, nos fazendo novas perguntas e ainda ser ter muitas das respostas, acreditamos que a inspiração pode ser valiosa e que, conjugada com a inerente capacidade humana de “aprender, desaprender e reaprender”, pode amenizar as tantas incertezas – essas, tão certas nos dias de hoje…

E, no meio dessa “tempestade” inesperada, a YoLoop conheceu e aprendeu com o jeito Volkswagen de cuidar das pessoas na retomada de suas atividades.

O Top Employers Institute (a maior empresa de certificação das melhores práticas de RH de organizações ao redor do mundo) promoveu um excelente webinar: Como a Covid-19 impactou as iniciativas de bem-estar dos Top Employers? E como a Volkswagem está preparando a retomada de sua produção?

Pois bem. E o que os Top Employers estão fazendo?

Pra começar, é bom saber que as empresas Top Employers já priorizavam as pessoas desde antes da Covid-19:

  • 85% já conduziam ações de bem-estar – e tratavam estas ações como prioridade estratégica
  • 79% encorajam conversas informais contínuas entre os líderes e suas equipes
  • em 56% delas, o home office/ trabalho remoto viabilizado pela empresa já era realidade

Aqui, a gente tem vontade de levantar a plaquinha do “eu já sabia”. Nada mais óbvio imaginar que empresas que são consideradas Top Empregadoras coloquem as pessoas no cerne de sua estratégia, que as entendam e que “cuidem de gente como gente é”, certo?

Os dados corroboram mais alguns dos nossos “a gente acredita”: promoção do bem-estar como ferramenta estratégica de gestão de pessoas; conversa e flexibilidade como requisitos fundamentais para estabelecer relações de confiança, que movem as pessoas em direção ao protagonismo – o aprendizado de tomar para si o agir em prol de si. 

E assim, os resultados acontecem, com certeza e em maior escala, nas Top Employers. É só olharmos para outros dados apresentados: 

  • turnover 33% menor comparado à média de empresas não Top Employers
  • em média, 10% mais favorabilidade no Glassdoor/LoveMondays
  • absenteísmo 25% inferior em relação à média de mercado

E sobre a Volkswagen do Brasil? Bem, a montadora brasileira obviamente foi buscar nos headquarters alemães, com a sua deutsche Mutter*, ideias e referências de como fazer as coisas. 

(Não é à toa que uma empresa alemã é uma fonte de inspiração tão interessante. A Alemanha, além de estar um pouco à frente de nós brasileiros na lida com as diversas consequências da pandemia da Covid-19, é um país que tem história no tratamento e na superação de condições adversas)

Com os conselhos e benchmarking vindos da Volkswagen Deutschland, a VW do Brasil estruturou sua estratégia, para os tempos covidianos, em 3 fases:

1. Entender e informar 

O foco aqui foi compreender o contexto da Covid-19 e fornecer informações adequadas para todos os empregados.

E por que é bom? Porque além de deixar clara a proatividade da empresa, reforça a relação de confiança – especialmente quando a empresa se coloca como uma curadora de conteúdo, em vez de deixar seus colaboradores à mercê do caos de informação/desinformação que estamos todos vivendo. 

Também demonstra a preocupação com o que já existe em termos de informação fora do seu ambiente, sim – mas contextualizando essa informação e assumindo a responsabilidade pela sua veracidade e acerto.

2. Apoiar

Todos bem informados? Agora é atuar. A VW focou, nesse momento, em estruturar e criar as condições para o trabalho em home office – compreendendo principalmente que, com os colaboradores em casa, o trabalho estaria muito, muito perto da vida pessoal. 

Diante de um novo contexto bastante específico que precisava ser considerado, o suporte à saúde e o apoio emocional aos trabalhadores ganhou destaque, na forma de ações muito bem pensadas. 

Exemplos? A comunicação desenvolveu conteúdos sobre ergonomia em home office; foi estimulada a formação de grupos para compartilhar experiências em tempos de quarentena, como atividades físicas, caminhos para conciliar trabalho e família; e muito mais.

3. Planejar a volta e agir, com cuidado

É hora de pensar em voltar – e em como fazer isso. A VW elaborou um verdadeiro Plano de Retorno, que

  • começou muito antes do retorno em si, com informações claras sobre datas e práticas e alcançou um escopo ainda mais amplo: além de um email com orientações para todos os colaboradores, contemplou, o envio de questionário médico 1 semana antes do retorno para ser preenchido por todos
  • organizou o retorno de forma racional, escalonando datas e grupos, definindo ondas de retorno: linha de produção com volta integral dos colaboradores em um único dia, mas volta em escalas para funções administrativas
  • considerou todas as medidas de prevenção a adotar nos espaços da empresa e um completo “pacote” de novas sinalizações de cuidados, com orientações amplamente espalhadas pelas fábricas e escritórios da montadora

O objetivo poderia ser traduzido em uma única palavra: CUIDADO, orientado para trazer materializar ao máximo possível a sensação de segurança para todos os empregados.

O que a gente aprendeu com tudo isso?

Entendemos o poder que 4 Cs, aparentemente simples, podem ter, quando bem usados e combinados:

  • CEO: liderança inspiradora, profundamente engajada e atuante é capaz de mudar o fluxo natural das coisas; quanto toma para si a responsabilidade de decidir e tem a coragem de dar a direção – principalmente quando o destino é incerto – minimiza, em alto grau, a insegurança da retomada 
  • Cálculo: planejar minuciosamente, contemplando detalhes e peculiaridades, considerando as adversidades e mapeando potenciais pontos de retrocesso na retomada
  • Comunicação: clareza, transparência, sinceridade. E também, conversa: cumplicidade e envolvimento
  • Cuidado: real, genuíno. Não só palavras bonitas, e sim ações

Quando chegada a hora da nossa retomada, que pensemos em nos inspirar, em “aprender, desaprender e reaprender” o nosso jeito de ser e viver. Que não só as Top Employers e a Volkswagem do Brasil nos sirvam de referências. Que a gente siga acreditando no poder de mais um C: de Conversa – afinal, é sempre sobre falar e ouvir! 

E já que a gente acredita que despertar a consciência é fazer acontecer… Que tal a gente conversar? Se quiser, conte pra gente o que você pensa sobre tudo isso; vamos adorar ouvir e interagir 😉  

#vemyolooparcomagente #vemconversarcomagente

* a mamãe alemã 🙂

Leave a comment